Self-Mistake

Self-Mistake

Projecto de experimentação e risco em dança e performance.

"Os erros são os portais da descoberta." James Joyce, Ulisses, 1922.

 

Self-Mistake é um projeto de curadoria que promove a liberdade artística, o risco e a experimentação na Dança Contemporânea, no âmbito da criação independente e emergente em Portugal. Assenta na escuta ao artista e a sua dimensão provocatória posiciona-se como manifesto. É partindo da experiência do risco, de avançar perante uma situação para a qual não existe uma solução prevista, que se baliza este projeto.

Self-Mistake provoca e cria condições para que os artistas tenham espaço livre para desenvolverem uma ideia de projeto num movimento de libertação dos constrangimentos programáticos atuais, ao mesmo tempo que incentiva a recapacitação e independência dos criadores e da Arte.

Self-Mistake cria um fluxo de experimentação e partilha, contribuindo para a reestruturação do paradigma que se vive atualmente, no qual os criadores estão cada vez mais contaminados por processos burocráticos, pela organização inflexível da programação e pelas suas exigências temáticas, provocando o constrangimento da livre criação.  

Motivado pela diminuição de espaços, falta de contextos e investimento para o desenvolvimento e apresentação de Dança mais experimental e emergente, este projeto pretende iniciar um movimento e um contexto que vêm dar resposta a uma necessidade, a uma emergência. Esta mudança é essencial uma vez que a evolução de qualquer área vem do incremento da experimentação, do testar, do falhar, para ter sucesso.


Através deste apoio, estes projetos terão condições e espaço para existir, não dependendo da programação das grandes instituições que normalmente não acolhem projetos mais arriscados, tornando assim, o acesso destes a coproduções e espaços de apresentação. Por consequência, torna-se também difícil o acesso aos apoios estatais e privados que beneficiam este tipo de cofinanciamentos.

Embora a Arte também possa nascer do esforço de adaptação às contingências e exigências do exterior é essencial ser fiel ao impulso criativo e à entrega artística. É por isso fundamental que a interação entre criação e poder consiga dialogar de forma horizontal para transformar relações que estão desequilibradas. Através da Arte é necessário fazer perguntas e procurar respostas mesmo que contraditórias e inesperadas.


Qualquer mudança, em particular na área artística, tem o poder de transformar a sociedade, que precisa mais do que nunca, de liberdade e de sair das exigências normativas e convencionais.


Mais do que um programa único e inovador, é uma necessidade. É uma resposta ao sector face a um novo paradigma na forma de organização da criação artística.


Como
Self-Mistake constitui-se como um projeto global de apoio à experimentação e inovação na área da Dança Contemporânea, através de uma programação anual de continuidade em diferentes frentes de atuação: apoio financeiro à experimentação e criação, mostras e consultoria de produção.

A quem se dirige
Dirige-se a artistas independentes em estado de emergência criativa. Portugueses ou residentes em território nacional, que querem trabalhar na investigação e na experimentação artística na área da Dança, sem imposições programáticas.

Parcerias
Self-Mistake tem diversas parcerias estabelecidas que respondem às necessidades dos artistas – no que diz respeito a espaços de ensaios, apresentação, comunicação, relação com públicos, acesso a financiamentos, consultoria estratégica de produção.

 

 

Vila Nova de Gaia:
Armazém 22

Lisboa:
Cal/Primeiros Sintomas
Armazém da Dança/CPBC
Gaivotas 6
Latoaria
Karnart

 

Apoios: ORG.I.A/Câmara Municipal de Lisboa

Produções Independentes (PI) foi financiada em 2019 pela República Portuguesa – Cultura / Direção-Geral das Artes

 

Produções Independentes (PI)
A Produções Independentes (PI), desde a sua criação em 2009, apoia projetos e artistas que se dedicam a um trabalho de inovação e de risco em particular na área da Dança Contemporânea.
Em 2019, dez anos depois, vai mais longe com a sua posição e dirige a sua proposta, de uma forma clara e inequívoca, a projetos independentes que se posicionam nessa área de risco e de experimentação artística, na área da Dança Contemporânea, criando o projeto Self-Mistake.

 

Artistas apoiados 2019

Bolsas de Experimentação:

Henrique Furtado // Diego Bagagal // Tita Maravilha // Carlota Lagido // Catarina Vieira // Bárbara Carlos // David Marques // Joana Verona e Eduardo Breda // Apneia // Margarida Correia // Sofia Dinger

Apoio consultoria Produção:
Telma Santos // Pablo Alvez // Isadora Alves

 

Bolsas de Criação:
Tiago Vieira // Diana de Sousa // Maurícia | Neves