Besta adding IN/ON

Mercedes Quijada Rama

A ideia de um corpo vazio e mutável onde os desafios chegam. À medida que os espectadores se reúnem à distância de uma figura solitária, pode-se perceber uma rapariga da festa de uma terra distante. Uma realidade omnipresente é evocada a partir da sua estatura talvez adornada em sumptuosas faixas de cor densa; o seu olhar é fixo noutro lugar.
As limitações do tecido drapeado sobre o seu corpo iniciam a conversa do seu movimento. Uma vez ela, surge uma nova forma de cancros de showgirl brilhantes e bulbosos. No lugar de seios e nádegas esféricas de silicone, descobrimos uma barriga de bola brilhante, pernas de formação de tamanho quádruplo, um grande queixo que reflete uma luz cintilante. Um comprimento de ráfia pende pelas costas, resplandecentemente apropriado como um rabo de cavalo peróxido artificial. Os grilhões do tecido são abolidos, o corpo é agora libertado para derramar essas cintilações crescem. Eles tremem e caem ao chão esporadicamente à medida que o movimento se intensifica.

"... o seu eu mulher, o seu eu criatura, o seu eu filha, o seu eu amante, o seu eu artista, o seu eu homem...".

 

Direção, criação, interpretação - Mercedes Quijada Rama
Desenho da luz - Mercedes Quijada
Figurino - Andy James
Música - Sara Calvo
Audiovisuais - Carolina Pimentel,Melina Koulia
Produção - Self - Mistake, CPBC Companhia Portuguesa de Bailado Contemporâneo
Apoio residência artística -   CAMPUS Paulo Cunha e Silva centro de residências artísticas e espaço de trabalho para as artes performativas, PEDREIRA
Experimental Collaborative Art Residencies