Reindeer Age #1

Bernardo Chatillon


Reindeer Age investiga o que hoje nos encanta, da poesia ao artifício, dos objectos mágicos aos sistemas ocultos, da distracção inofensiva à dominação.

Reindeer Age #1 é o segundo episódio desta série que parte da memória de quando eu era criança e sentia a euforia de ir de férias com os meus pais e ao mesmo tempo o medo e a sensação de que as férias poderiam não acontecer.
O que fazer com isto?
Será possível perder o vestígio de algo que nunca se perdeu?

Um trabalho sobre a experiência de nunca partir e nunca chegar, sobre uma preparação infinita de tudo o que já não é útil e de memórias que ainda não existem.

Uma viagem suspensa que se aloja no corpo, em torno de noções de tempo, estruturas e linhas de texto em movimento, que explora situações inacabadas, dúvidas e novos começos para revelar e comunicar algo que existe, algo que está para vir, porque foi deixado em suspensão.

Para explorar este complexo entrelaçamento de mundos, decidi ir viver numa autocaravana, seguindo as reflexões propostas por Carlo Rovelli no seu livro "A Ordem do Tempo", onde nos convida a reflectir sobre as seguintes questões: "Porque nos lembramos do passado e não do futuro? O que significa o "fluxo" do tempo? Existimos no tempo ou o tempo existe dentro de nós?", assim como os exercícios de escrita somática propostos pelo poeta e autor CA Conrad, que investiga este espaço aparentemente infinito entre corpo e espírito, utilizando quase tudo o que é possível para canalizar o corpo para fora e/ou para o espírito com concentração deliberada e sustentada e o livro " The Fall of Heaven": Palavras de um Yanomami Shaman" que questionam a noção de progresso e desenvolvimento.

 


CONCEITO E COREOGRAFIA
Bernardo Chatillon

PERFORMERS
Bernardo Chatillon e Marc Lohr

MÚSICA
Marc Lohr

DESENHO DE LUZ
Tiago Gandra

APOIO À CRIAÇÃO
Self-Mistake (ORG.I.A), Trust Colective, Calouste Gulbenkian Foundation, PT.21 (O Espaço do Tempo)


APOIO À RESIDÊNCIA
Trust Colective, O Espaço do Tempo

 

Teaser

Inês Sambas

Inês Sambas