INTERIOR

Tiago Vieira

INTERIOR é um estudo sobre a intimidade numa cidade ausente


Interessa-me mais uma vez e na verdade, como sempre, falar de Amor, sobretudo agora em que os corpos vivem uma espécie de espera pelo reencontro com o outro, ou então que vivem, por circunstâncias deste tempo, dias inteiros em casa, lugar-casa que agora me parece que ganha uma nova potencialidade poética, o lugar-casa espaço intimo agora exposto mais do que o habitual ao contexto exterior, lugar-casa como paisagem de uma espécie de peregrinação interior, lugar-casa como espaço de amor ou de ausência de amor.

A urgência de falar de amor estará sempre ligada a esta necessidade de poder contribuir para inscrever num tempo através de um gesto artístico a potência do discurso amoroso, como lugar supremo do corpo no seu estado erótico e político, mas também de admiração e respeito pelo outro, o amor como uma forma de combater a ignorância, a descriminação e o medo, sobretudo o medo da morte.

 


O texto, baseado em cartas de amor entregues num acto de generosidade de várias pessoas, será o gesto performativo que surge da potência do encontro. O processo de trabalho, a pesquisa é em si um ato performativo, como se as salas de espetáculo se transformassem agora nestes encontros, no vazio, na vontade de estar com o público, num encontro único, por vir...

 

Projecto Self-Curating
Direcção, cenografia, coreografia, texto, dramaturgia, figurinos: Tiago Vieira
Performers: Maurícia | Neves, Joãozinho da Costa, Ricardo Raposo e Tiago Vieira
Co-produção: Self-Curating - Produções Independentes / República Portuguesa - Cultura I DGARTES – Direção-Geral das Artes
Apoios: Latoaria, CPBC
Foto: Alípio Padilha
Vídeo: Ema Ramos

Espetáculo Self-Curating inserido no programa de apoio Self-Mistake, numa parceria entre ORG.I.A e Produções Independentes.

 

 

Teaser de ensaio

Ema Ramos @luz.amais

Teaser de ensaio

Ema Ramos @luz.amais

Teaser de ensaio

Ema Ramos @luz.amais

Alípio Padilha