Geography of Love

Diego Bagagal

"Pensa num futuro bonito pela frente"

Em 2011, o homem mais amado e temido da minha infância, o meu tio Ricardo (minha
Bruxinha e conhecedor exímio da geografia mundial), morreu de AIDS, deixando
verbalmente toda a sua herança pra mim. A herança é constituída por uma caixa de plástico
que ele guardou por 3 décadas no seu armário. Nela encontram-se 454 cartões-postais de
cidades trocados com cerca de 160 pessoas, contemplando 3 décadas (70, 80 e 90) e 14
países, entre eles Portugal (na caixa encontram-se também documentos de identidade,
exames de saúde, cartas, desenhos, fotografias pessoais e folhas de diários).
Ele conheceu grande parte desses “amantes” no Posto 9, na Praia de Ipanema (lugar utópico
e habitat oficial dos “sereios” no Brasil) e no esplendor dos guetos livres em plena ditadura
militar.
Em 2016 abri a caixa e vi aquele tesouro com olhos molhados. Ainda vejo. Há uma chuva de
inverno caindo lá fora...

Para o Ricardo a “geografia mundial” sempre foi sobre entrar num espaço de fascinação
e mistério, pois a maioria daqueles lugares que me descreveu ele nunca chegou a ir, exceto
ao Rio de Janeiro, São Paulo e Bahia.
Constantemente, através do seu conhecimento teórico, ele forçava a sua imaginação ao
desconhecido. Nas suas “aulas”, durante a minha infância, me parecia que ele buscava
oportunidades para me levar além. Às vezes ele se vestia de bruxa.

 

Cartão postal recebido por Ricardo, do Peru, em 1976, com poesia de Federico Garcia Lorca

Foto DiegoBagagal

de Bruno Leão